Protocolo Ensaio UTAD


Introdução

Em regiões de carência hídrica acentuada no período estival, associadas a valores de temperatura elevada limitantes da fotossíntese, a produção e a qualidade do mosto são frequentemente afectadas negativamente, reflectindo-se na rendibilidade da exploração vitícola. Para estas situações ecológicas existe enorme falta de dados teórico-práticos que orientem os critérios de rega: dotação global e parcelar durante o ciclo vegetativo em função da evapotranspiração potencial, períodos de rega em função da actividade fisiológica da videira e respectivos quantitativos.
Na Região Demarcada do Douro as castas brancas têm um peso muito significativo, sendo de considerar a necessidade de produzir as melhores massas vínicas que conduzam a vinhos de eleição, com implementação e competitividade num mercado que actualmente privilegia os vinhos tintos e que é muito selectivo quanto a brancos de qualidade.
A Malvasia fina é uma das castas mais apreciadas quer na RDD quer noutras regiões vitícolas do País, requerendo por isso um estudo detalhado da sua condução, de molde a extrair da melhor forma o seu elevado potencial qualitativo, nomeadamente pela rega, a qual se encontra de momento em fase de regulamentação pela Comissão Interprofissional da Região Demarcada do Douro (CIRDD).

 

Objectivos

- Obter dados concretos para a definição de critérios de rega (dotação e períodos de rega) a aplicar em vinhas da Região Demarcada do Douro, no sentido de optimizar a relação produção x qualidade.
- Adquirir dados sobre as características comportamentais da casta Malvasia Fina em situações da não rega e de diferentes modalidades de rega.
- Extrapolar os conceitos adquiridos pelo ensaio a outras castas, nomeadamente tintas, como primeira aproximação à racionalização da rega da vinha, em particular na RRD.
- Fornecer elementos conclusivos à CIRDD tendentes à regulamentação da rega na Região.

 

Metodologia

O ensaio é instalado numa parcela da vinha da Quinta de Nª Sª de Lurdes, pertencente à UTAD, incluída na demarcação da RDD, com área de 1,1 ha. A vinha é conduzida em cordão com vegetação ascende, com compasso 2 x 1,2, com 6 anos, enxertada com Malvasia Fina sobre SO4, assente num coluviossolo de xisto, medianamente fértil, com pH(H2O) = 6, após correcção.
O delineamento experimental é em split-plot, com as seguintes modalidades:
A – Rega do vingamento à vindima:
A1 – regas a 100% da ETP
A2 – regas a 50% da ETP
A3 – regas a 25% da ETP
T – testemunha sem rega
B – Regas do vingamento ao pintor
B1 – regas a 100% da ETP
B2 – regas a 50% da ETP
B3 – regas a 25% da ETP
T – testemunha sem rega

 

Determinações

1. Evolução da maturação – colheitas semanais de bagos para analisar, de início de Setembro a início de Outubro:
- grau refractométrico
- acidez total por titulação
- pH por potenciometria
- glucose, frutose, ácido tartárico e ácido málico, por HPLC

2. Determinações fisiológicas semanais – do pintor à vindima:
- potencial hídrico de base e ao meio dia –bomba de Scholander
- transpiração, condutância estomática, fixação de CO2 e QUE - IRGA

3. Determinações vitícolas:
- estados fenológicos – floração, pintor, maturação fisiológica e queda da folha;
- produção por cepa e peso médio do cacho;
- peso da poda e relação produção/peso da poda.

4. Determinações enológicas:
- microvinificações por modalidade;
- análise do vinho – grau álcool, acidez total, acidez volátil e pH
- prova organoléptica.
Videiras em ensaio:
- 50 videiras por modalidade e repetição para as determinações fisiológicas.

 

Duração do ensaio:
De 2002 a 2004, com divulgação anual de resultados e publicação final em 2004.